sexta-feira, 20 de julho de 2018

Curiosidade - Fisioterapeuta, osteopata ou quiroprático? Saiba a quem deve pedir ajuda


Atletas e praticantes de desporto sabem-no. As lesões por treino são mais ou menos inevitáveis. Mas a quem pedir ajuda? Fisioterapeuta, osteopata ou – para dificultar a questão – quiroprático?

Antes que se magoe no ginásio, a Women’s Health UK esclarece a questão e distingue os três profissionais, começando por explicar que a quiroprática é um tratamento holístico que se baseia em técnicas naturais que têm em vista o alívio da dor e melhor mobilidade.

A especialidade serve para tratar dores de pescoço ou costas, mas nunca com medicação, por isso se o seu problema for bastante grave e carecer de medicação, deverá preferir ser visto por outro especialista.

O osteopata, por sua vez, trabalha no sentido de diminuir a dor sentida através da libertação de tensão, melhoria de mobilidade e otimização da funcionalidade do corpo. A vantagem da osteopatia é que o tratamento feito tem em conta a origem do problema e não o tratamento momentâneo do que lhe está a causar a dor. Além disso, espera-se que as técnicas aplicadas previnam futuras dores – uma vez que o problema é resolvido na sua origem.

Por fim, a fisioterapia é uma especialidade mais completa, que permite o tratamento de diversos problemas, desde respiratórios a neurológicos, passando pela própria ortopedia.

É normalmente através de exercícios musculares que as técnicas de tratamento se focam e demoram o tempo necessário até que o paciente volte a ganhar autonomia, uma vez que muitos dos problemas a ser tratados se devem a acidentes que incapacitam em muito o paciente.


Assim, não há uma resposta concreta sobre a especialidade mais indicada a cada lesão. Se prefere um método natural e acha que o problema não é demasiado grave, a quiroprática poderá ser opção. Se a dor é constante e se deve a um problema de há algum tempo e não a um acidente do momento, tente um osteopata. Contudo, no fundo, dependerá sempre da natureza da situação bem como quem a sofre.

https://www.msn.com/pt-pt/saude/medicina/fisioterapeuta-osteopata-ou-quiropr%C3%A1tico-saiba-a-quem-deve-pedir-ajuda/ar-AAzWaPA

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Curiosidade - Quanto menos dorme menos tempo vai ter de vida


É do conhecimento geral que dormir pouco é prejudicial para o corpo, nomeadamente para o cérebro. Dormir é tão importante que a ciência aponta que quanto menos tempo o fizer, mais curto vai ser o tempo de vida.

Matthew Walker, professor de neurociência e psicologia da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, é autor de ‘Por Que Dormimos’, um livro que explica o que se deve saber sobre o sono e como adaptar os hábitos de vida mais saudáveis nesse sentido, de forma a mudar e aumentar a longevidade.

Dormir acarretas tantas vantagens que Matthew pressionou os médicos a prescreverem a prática aos pacientes, que deve acontecer de forma natural pois vários estudos relacionam o consumo de medicação para dormir a um aumento do risco de cancro, infeção e mortalidade.

Efeitos da privação do sono
Também a falta de sono tem uma ligação significativa com muitas doenças como, por exemplo, Alzheimer, cancro, doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade, ansiedade, depressão, e até mesmo tendências suicidas. A explicação para o facto é que durante o sono há uma “revisão” dos sistemas fisiológicos do nosso corpo e mente. Se não dormir o suficiente, essa revisão é prejudicada e o corpo é afetado.

Número de horas necessário
Por vezes questionamo-nos quantas horas devemos dormir por dia. Esse número situa-se entre as sete e as nove horas. Dormir menos do que sete horas afeta o desempenho cognitivo e o sistema imunológico. Estar acordado 24 horas seguidas, deixa o ser humano tão incapacitado que é como se estivesse bêbado uma vez que privado de sono, não percebe de imediato o problema, tal como acontece com uma pessoa alcoolizada que se acha apta para conduzir, ainda que não o esteja.

Mudança nos hábitos de sono
Cada vez dormimos menos e analisados os dados das nações industrializadas, percebe-se que há uma tendência clara de diminuição do tempo de sono, nos últimos cem anos. Dormir menos é sinónimos de dificuldade em atingir a fase REM (movimento rápido dos olhos, na sigla em inglês) e sonhar. O REM é crucial para a saúde mental e para a criatividade por isso qualquer interferência é prejudicial.

Matthew Walker enumera vários motivos pelos quais as pessoas dormem cada vez menos:
1 – Ritmo de vida: por vezes o ritmo alucionado em que se vive leva ao sacrifício das horas de sono.
2 – Falta de conhecimento da importância do sono.
3 – Atitudes e crenças: dormir não é bem visto e muitos se gabam de dormirem pouco.
4 – Falta de luz natural:a libertação de melatonina é necessária para ajudar a dormir mas estamos constantemente sob luz artificial que prejudica essa libertação.
5 – Temperatura: embora normalmente se faça o contrário, o cérebro e o corpo precisa de reduzir a temperatura central, aproximadamente 1°C mais baixa, para que se possa relaxar de forma natural.

Recuperação das horas de sono
Um dos erros mais comuns é pensar que se pode reverter uma má noite de sono com uma recuperação do tempo perdido, o que é totalmente falso. Muitas pessoas dormem pouco durante a semana e procuram recuperar-se no fim de semana, prática apelidada de de jet lag social ou bulimia do sono.

Mudança de hábitos
Estudos comprovam que pessoas que antes dormiam mal e mudaram as respetivas rotinas, começando a dormir mais, evitam a deterioração degenerativa e a doença de Alzheimer mais de dez anos, em comparação com pessoas que mantiveram um padrão de sono insuficiente.

Somos a única espécie que, deliberadamente, se priva de dormir o tempo que necessita, por isso há que repensar as necessidades do corpo e do cérebro, para viver mais mas, acima de tudo, melhor.

https://www.msn.com/pt-pt/saude/medicina/quanto-menos-dorme-menos-tempo-vai-ter-de-vida/ar-AAztsmc

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Curiosidade - O motivo ‘nojento’ pelo qual deve baixar sempre o tampo da sanita



Não colocar o tampo para baixo significa que ao puxar o autoclismo vai estar a lançar para o ar uma ‘chuva’ de germes asquerosos.

Germes estes que podem aterrar em qualquer lugar ou objeto… incluindo na sua escova de dentes!

Tal processo é conhecido pela expressão ‘efeito aerossol’. Charles P. Gerva, professor de microbiologia na Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, explicou à publicação Mirror Online, o que se passa na sua casa de banho: “Basicamente, cada vez que puxa o autoclismo e deixa o tampo para cima, está a levar com uma pulverização significativa de germes em cima”.

E acrescentou: “Quando as gotículas são expelidas da sanita para o ar, é como se tratasse de um fogo de artificio microscópico”.

Estima-se que os indivíduos puxem, em média, o autoclismo entre cinco a seis vezes por dia. O que anualmente contabiliza cerca de duas mil descargas.

Para além de fechar o tampo, Gerva recomenda que afaste da sanita a sua escova de dentes e outros objetos.

Se não se sente de todo nauseado por esta informação, saiba então que manter o tampo da sanita aberto durante as descargas pode deixá-lo fisicamente doente, devido à penetração e propagação de bactérias no organismo.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Notícia - Tenha atenção à saúde oral e melhore a sua performance desportiva


Os hábitos de higiene oral influenciam vários aspetos à partida não associados à saúde da boca e dentes, mas foi exatamente esta a conclusão a que chegou um grupo de cientistas que analisou o caso de mais de 300 atletas de elite de várias modalidades.

O problema põe-se nos casos de problemas a nível oral que prejudicam a preparação e própria performance em prova devido a dores e mau estar que afeta o atleta.

Vamos a valores: da amostra, 32% admitem que o seu rendimento foi afetado por alguma doença associada à boca, gengivas ou dentes.

De entre tais problemas, destaca-se a gengivite, de que sofrem 87,5% dos que admitem uma saúde oral imperfeita. Periodontite, doença infeciosa e bacteriana, é o segundo problema mais comum que afeta 21,6% dos inquiridos.

Em qualquer um dos casos, a primeira medida terá de ser alterar os hábitos de higiene oral, visto ser a prevenção a melhor forma de evitar tais problemas, que por vezes não é seguida por falta de conhecimento que leva a mitos como o do fio dental fazer mal ou à comum ideia de que qualquer produto elixir é benéfico quando na verdade muitos destes produtos mancham os dentes e deixam-nos mais sensíveis.

Com o presente estudo, ficam pois provadas as consequências que um ‘pequeno’ problema pode ter a nível de outras partes do corpo o que inevitavelmente leva a uma pior performance aquando da prática de exercícios físicos.

https://www.msn.com/pt-pt/saude/fitness/tenha-aten%C3%A7%C3%A3o-%C3%A0-sa%C3%BAde-oral-e-melhore-a-sua-performance-desportiva/ar-AAzC5Rz

sábado, 7 de julho de 2018

Notícia - O metabolismo desacelera à medida que envelhece, mas há como evitá-lo


Há metabolismos mais rápidos e outros mais lentos, ou seja, que têm maior dificuldade em transformar as gorduras em energia (calorias) a ser gastas em atividade física que, em vez de queimadas são alojadas sob a forma de gordura.

Quem conta com um metabolismo mais acelerado, tende a uma maior facilidade em perder massa gorda e consequentemente emagrecer, contudo, à medida que envelhecemos, torna-se mais difícil emagrecer e a este obstáculo associa-se o desacelerar o metabolismo. Mas talvez não seja este o problema, como aponta o personal trainer Ngo Okafor ao Tonic Vice, “não é o metabolismo que fica mais lento, somos nós”. Estudos sobre o tema explicam que não é bem assim, mas o PT não deixa de ter alguma razão.

A partir dos 20 anos de idade, e sensivelmente até aos 60, o corpo humano começa gradualmente a alojar mais gordura e a perder mais músculo. A zona abdominal e em redor dos órgãos é a ‘preferida’ para a massa gorda, que ali se aloja como forma de proteção contra o tempo.

Ora, se os níveis de massa muscular e massa gorda se alteram, com este último a dominar, e o metabolismo é impulsionado pela quantidade de músculo presente no organismo, é esperado que tal processo se torne mais lento.

Para o evitar e contornar a situação, há que adaptar o treino à idade, estimulando a construção de músculo com exercícios o que ativem o próprio metabolismo e favorece o ganho de massa muscular – o chamado treino metabólico. Okafor tem provas vivas de clientes seis que comprovam esta visão, como um atleta de 61 anos que está hoje bem mais em forma do que outros de 30, tudo depende de como se treina.

https://www.msn.com/pt-pt/saude/medicina/o-metabolismo-desacelera-%C3%A0-medida-que-envelhece-mas-h%C3%A1-como-evit%C3%A1-lo/ar-AAzBmFT

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Conteúdo - Dicas para perder barriga numa semana


Especialistas em nutrição revelam quais os alimentos que tem de eliminar do seu dia-a-dia se quer perder barriga. Claro que não há milagres e os resultados só começam a ser realmente visíveis a longo prazo, mas muito do volume que temos na zona da barriga é apenas inchaço e esse pode diminuir no espaço de uma semana se fizer uma dieta equilibrada e eliminar os alimentos certos.

Além disso, tem de beber muita água, recomenda-se pelo menos 1,5 litros por dia, para que o corpo se mantenha hidratado e a funcionar corretamente.

Alimentos a Evitar:
- Apesar de serem fundamentais para uma dieta saudável, os vegetais crus devem ser evitados por quem pretende perder volume abdominal. Estes devem ser sempre cozinhados porque a digestão faz-se de forma mais fácil e rápida.

- Elimine os alimentos que, embora sejam considerados benéficos para a saúde, causam gases, como leite, cebola, bróculos, feijão, grão, couve-flor e repolho, entre outros. O gás acumula-se nos intestinos e causa inchaço.

- Substitua o sal por outras especiarias que darão sabor aos seus cozinhados sem que tenha de lidar com a retenção de líquidos, e consequente inchaço, provocado pelo sódio.

- Tudo o que seja picante deve ser deixado de lado, porque a ingestão deste tipo de condimento estimula a produção de ácido pelo estômago, o que acaba por provocar irritação e acumulação de gases.

- Corte nos carboidratos (arroz, massa, pão, etc).

- Elimine o açúcar, pois este também provoca aumento do volume abdominal, tanto pelas calorias, como pelo facto de ser difícil de processar e causar inchaço.

- O mesmo acontece com as bebidas alcoólicas.

- Evite as pastilhas elásticas, porque contribuem para a acumulação de ar no estômago.

https://www.msn.com/pt-pt/saude/nutricao/dicas-para-perder-barriga-numa-semana/ar-AAzzX0Z

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Conteúdo - Sintomas de doenças que são ignorados por muitas mulheres


Menstruação abundante

O que significa: as causas desse fato podem ser tanto inofensivas (hereditária, adaptação a um lugar ou esforço excessivo na academia no dia anterior), quanto sérias: inflamação dos dutos longitudinais dos ovários, miomas uterinos, endometriose ou um mau funcionamento da glândula tiróide. Mesmo se você estiver convencida de que é hereditário, vale a pena visitar o médico: sangramento intenso pode causar anemia.

Como reconhecer: é bastante complicado entender, por conta própria, quando a menstruação é considerada abundante. Mas, em geral, se o sangramento durar mais de 7 dias ou se você precisar trocar o absorvente em 1-2 horas, pode ser um sinal alarmante, especialmente se a cor da secreção estiver vermelha brilhante.

Quanto ao ciclo, considera-se normal entre 21 e 35 dias. E o mais importante é que não menstrue entre um e outro.

Em resumo, não hesite em contatar o seu ginecologista  (lembrando que eles devem ser visitados de 1 a 2 vezes por ano, para prevenção) e conversar com eles sobre tudo que lhe preocupa. Quando se trata de saúde, as dúvidas sempre precisam ser esclarecidas.

https://incrivel.club/inspiracao-dicas/7-sintomas-de-doencas-que-muitas-mulheres-ignoram-501910/

Conteúdo - Sintomas de doenças que são ignorados por muitas mulheres


Secreção incomum

O que significa: processos inflamatórios, doenças infecciosas e afins. Podem aparecer por várias razões e é sempre melhor consultar um médico imediatamente caso suspeite que algo está errado.

Como reconhecer: o padrão é diferente para cada mulher, mas em geral a secreção não deve ser verde, nem ter um odor desagradável. É normal sim, na metade do ciclo, aparecerem pequenos sangramentos (aproximadamente 2 semanas antes da menstruação).

https://incrivel.club/inspiracao-dicas/7-sintomas-de-doencas-que-muitas-mulheres-ignoram-501910/

Conteúdo - Sintomas de doenças que são ignorados por muitas mulheres


Qualquer mudança nas glândulas mamárias

O que significa: os primeiros sinais de cancro de mama não são tão fáceis de notar. Quando se trata de dor nos seios e nos gânglios linfáticos, muitas vezes pode ser tarde demais.

Como reconhecer: não deixe de fazer o autoexame: isso ajudará a identificar o cancro de mama nos seus estágios iniciais. Preste atenção a qualquer mudança: pele vermelha e enrugada, aparecimento de nódulos, fissuras e assim por diante. Em relação à dor periódica nos seios (especialmente na véspera da menstruação), em princípio é natural e indica variações nos níveis hormonais.

https://incrivel.club/inspiracao-dicas/7-sintomas-de-doencas-que-muitas-mulheres-ignoram-501910/

Conteúdo - Sintomas de doenças que são ignorados por muitas mulheres


Sangrar após a menopausa

O que significa: muitas vezes as mulheres observam uma descarga de sangue, que aparece após terem cruzado o limiar da menopausa. Isso pode ser um sintoma de cancro do útero, bem como cervicite, miomas e outros processos patológicos perigosos.

Como reconhecer: mulheres que recorrem à reposição hormonal podem realmente ter algo semelhante a uma menstruação por cerca de 2 anos, isso é normal. Em outros casos, vale a pena consultar um médico. É especialmente perigoso se o sangramento começar após um ano após o último período menstrual.

https://incrivel.club/inspiracao-dicas/7-sintomas-de-doencas-que-muitas-mulheres-ignoram-501910/

Mensagens populares

Recomendamos